Tópico de discussão 1: Uma prova extrema tem que ser perigosa?

Data: 01-07-2012

De: Ricardo Bomtempo

Assunto: Uma prova extrema não pode ser perigosa

Olá a todos.
Ainda com essa descida e subida da Mizarela na memória e nas pernas (ainda as sinto), recordo bem estar a entrar na descida e pensar "isto é um perigo"...e recordava esta frase sempre que o participante que ia à minha frente se espalhava...e a ravina mesmo ali.
Com chuva, sem possibilidade de se ultrapassar e ter o parceiro de trás a morder os calcanhares (outro erro de quem corre...não dar distância suficiente nestes terrenos ao da frente...já que se escorrega o mais certo é ceifar as pernas do colega da frente).
Depois chegamos à subida e ao fim de 20 minutos a subir muitas vezes com quatro apoios dei por mim a pensar "os amigos dos 70 ao chegar aqui de noite já foram"...
Depois pensei...e se alguém se aleija mesmo aqui? Rede de tlm? não existe? Acesso a pé? existe mas não se cruzam duas pessoas e muito menos uma maca. Só mesmo resgate de helicóptero.
Penso que a organização deveria ter mais segurança e primeiros socorros ao longo das zonas perigosas nem que para isso o trail custe 40 euros e a ultra 75 euros...que não custará isso por haver mais segurança e pessoas da organização com rádios a comunicarem-se.
É importante discutir o extremo físico com o extremo de perigoso...pior quando se juntam as duas....que realmente acontece nos 70km da Freita.
Acredito que para quem chega ao fim, depois de passar o Inferno da Mizarela se sinta orgulhoso.
Resumindo e concluindo...para o ano lá estarei.
Abraços


Voltar