Webnode

 

Armando Teixeira

Informação pessoal:

Nome: Armando Teixeira
Idade: 36 anos
Distrito: Porto
Treinador: Prof.Paulo Pires
Idolos desportivos: Marco Olmo
 Frase que mais te inspira: Os sonhos comandam a vida

 

Trail de Portugal (TDP) - Fala-nos um pouco do teu passado desportivo. Há quanto tempo praticas desporto? Já tiveste hábitos sedentários?

    Armando Teixeira (AT) – Como todos os miúdos, a grande paixão sempre foi o futebol… mas desde sempre gostei de praticar desporto, de preferência os ligados à montanha… Sem praticar desporto regularmente estive mais ou menos 12 anos… Uma vida completamente sedentária, por consequência muitos maus hábitos… alimentares e não só…

 

 

TDP - Armando, há quanto tempo e como surgiu esta paixão pelo Trail Running e pelo ultra-fundo?

    AT – Claramente em 2008, quando comecei a praticar atletismo. Nesse mesmo ano participei no Trail da Serra da Freita, com13km… Fiquei totalmente alucinado, mais ainda pelo ambiente (Natureza e as pessoas).
    Pelo Ultra-fundo veio por consequência, a 1º prova foi o Ultra Trail Geira Romana, com 45km. Nunca tinha corrido tal distância, mas a exigência física e psicológica destas distâncias, o ter de superar-me, levar-me aos limites (se é que existem, acho que não) marcou-me… Dígamos que se tornou uma droga… Tenho necessidade constante destes desafios.

 

 

TDP - Como te motivas para estas tão longas provas?

    AT - Como referi anteriormente, a superação e a necessidade destes desafios; mas o mais importante é motivação, é fazeres algo pelo qual sintas paixão… Nesta modalidade estás sujeito a muita pressão, ou seja: carga horária de treinos, muita disciplina nos horários, sacrifícios familiares, hábitos alimentares e muito mais…
    Quando estou em prova sinto o que estou a fazer como uma arte, como um musico quando toca um instrumento num palco para centenas de pessoas; é algo que me dá um gozo brutal… Assumo que os resultados dão motivação extra, mas não chega…

 

 

TDP - Alguma vez esperavas conseguir chegar aos melhores lugares mundiais no ultra-fundo?

    AT – Nunca pensei nisso, muito menos tivesse sido um dos meus objectivos, agora obrigatoriamente penso nisso… Mas tento resguarda-me ao máximo disso. Sinto-me um privilegiado: fazer o que gosto, ter o apoio incondicional da minha esposa, da família, dos amigos, o privilégio de ser treinado pelo prof. Paulo Pires: grande amigo e mentor; o apoio da Dª Maria Cunha - médica fisiatra, não só no tratamento de lesões como na prevenção das mesmas; ter resultados; ter tido o apoio da minha associação desportiva Adefacec; o apoio de um ginásio que me abriu as portas - Fitness Worx Lionesa; o apoiou em suplementação desportiva da GoldNutrition, produtos que eu já usava há mais de 2 anos, privilégio poder trabalhar com uma marca de confiança e pela qualidade dos seus produtos; pertencer a equipa Salomon Portugal: uma responsabilidade a mais, mas mais ainda um desafio…

 

 

TDP - O ano passado tiveste a impossibilidade de terminar da melhor maneira o Ultra Trail Du Mont Blanc por lesão. Que aprendeste com esse acontecimento?

    AT – Aprendi muito com esse acontecimento, da fraqueza ou dos momentos menos bons aprendi a ser mais forte; aprendi que primeiro está a minha saúde, que quero continuar com este desporto durante muitos anos e há alturas que temos de parar… Evitar que as lesões se tornem crónicas, recuperar das mesmas a 100%...
    Falando da prova, a nossa realidade desportiva não é a mesma de outros atletas… A localização geográfica, condições de treino, os apoios, etc, são bastantes diferentes… Mas esta é a realidade que temos e mesmo com estes factores, saber que podemos estar entre os melhores foi marcante; ter um atleta Português (Carlos Sá) no top 5 é demonstração que não somos nada inferiores, antes pelo contrario: somos grandes!

 

 

 

TDP - Sobre a tua brilhante prova na TansGranCanaria, que tens a dizer aos portugueses que te estiveram a apoiar do lado de cá do oceano através da comunicação e do site da prova?
    AT – Foi impressionante o apoio, inacreditável… Saber que tenho este apoio dá-me mais força e motivação para continuar, em momentos menos bons pensa-se em quem está do outro lado a apoiar-nos… A única forma de poder “pagar”é dar o meu melhor, quer seja para um pódio ou para terminar uma prova, tenho essa obrigação.

 

 

TDP - Quais os teus objetivos para o restante ano de 2012?
    AT – Sem duvidas que o grande objetivo para 2012 é o UTMB (Ultra Trail Du Mont Blanc)… Não que tenha de provar algo alguém, mas tenho contas a ajustar com aquela prova, terminar o que deixei a meio.

 

 

TDP - Com que apoios contas para este ano de 2012? Os apoios são suficientes para toda alogística das provas que esperas realizar?
    AT- Na pré-época contei com o apoio bastante importante do ginásio FitnessWorx Lionesa, onde tive/tenho todas as condições para trabalho de cardio/ginásio. Este ano tenho novos apoios: Salomon, GoldNutrition, Run.pt.
    Não são suficientes, são sim uma grande ajuda…

 

 

TDP - Durante provas tão longas, em que é que pensas durante todo o tempo que passas em prova?
    AT – Pensa-se em tudo e ao mesmo tempo em nada. Alguns momentos da prova pensa-se na família, amigos, trabalho; nos bons e maus momentos da vida, toma-se decisões…
    Outras alturas o vazio apodera-se, concentro-me no objetivo: “a superação e desafio”.

 

TDP - A tua esposa Ivone acompanha-te sempre que possivel na tua carreira desportiva. Consideras esse apoio fundamental e que a familia tem uma grande importância na nossa evolução?
    AT – Sem duvidas, este sim é um grande apoio… Estarmos os dois envolvidos no meu “sonho” faz com que tudo seja mais fácil… Os sacrifícios são repartidos…

 

 

TDP- É claramente notório que és um amante dos animais e da Natureza. Achas que a prática do trail running aumentou em ti essa paixão pela natureza, por estares mais em contacto com ela?
    AT – Não digo que tenha aumentado pois essa paixão e respeito sempre existiu, tornei-me sim mais sensível… Não percebo que em sociedades que se dizem desenvolvidas exista tamanho desprezo pelos animais e natureza. Da forma que o Trail Running está aumentar, também acredito que as mentalidades se alterem, pois como digo isto é mais do que correr nas montanhas, é um estilo e filosofia de vida.

 

 

Respostas Rápidas:
Desporto: praticar o que se gosta
Atletismo: aprendi a gostar de correr
Trail: mais do que uma paixão…uma necessidade.
Montanha: sensação de liberdade, tranquilidade…o meu habitat.
Dureza: não é um adversário…só assim posso superar-me
Site "Trail de Portugal": Está de parabéns, tem muita qualidade.